• SS3 Tecnologia

Qual a importância da redundância de rede para os provedores de internet?



A internet se tornou a ferramenta mais importante em todas as áreas profissionais, principalmente naquelas que atuam com base em tecnologia, pois precisam estar sempre atentas para que erros de hardware ou software não levem a falhas na entrega do serviço ao cliente.


Uma estratégia de redundância de rede se vale de infraestrutura adicional para garantir a disponibilidade mesmo durante crises. Veja a seguir tudo que precisa saber sobre redundância de rede, além dos motivos pelos quais ela desempenha um papel tão importante para os ISPs. Ainda abordamos maneiras de conquistá-la na sua organização. Confira.


O que é redundância de rede?



A redundância de rede é conquistada, em geral, por meio da adição de caminhos de rede alternativos implementados com roteadores e switches redundantes em stand by. Esses aparelhos entram em ação quando o caminho principal não está disponível para garantir menores tempos de inatividade e continuidade de serviços.


Trata-se, sobretudo, de estratégia de continuidade de negócios implementados nas infraestruturas de rede corporativas como mecanismo de backup.


Quando ocorrer falhas do sistema, dos equipamentos ou de humanos, as redes redundantes atuam imediatamente para evitar que interrupções não planejadas causem prejuízo na oferta de serviços de um ISP.


Mas não são, apenas os provedores, que tiram proveito da redundância de redes para entregar alta disponibilidade de serviços. Empresas de grande porte, com infraestruturas de TI robustas, também podem se valer do recurso visando a continuidade das operações em crises ou falhas de equipamento.


Quais são os tipos de redundância de rede?



Mesmo que, o conceito de redundância de rede pareça simples, é a maneira como uma marca implementa essa redundância que faz toda a diferença nos resultados obtidos. Existem duas estratégias principais para criar a redundância de rede: fault tolerance (ou tolerância a falhas, em tradução livre) e high availability (alta disponibilidade).


Tolerância a falhas



Um sistema redundante é considerado tolerante a falhas quando fornece redundância total de hardware. Nesse caso, todas as aplicações relevantes para o funcionamento do negócio são espelhadas em dois ou mais sistemas idênticos, que operam em conjunto.


Caso algo aconteça com o sistema principal, o espelhado entra em ação automaticamente e assume as redes sem perda de serviço. Essa modalidade, de tolerância a falhas, é a ideal para qualquer operação em que períodos de inatividade são inaceitáveis. Por isso, ela figura como a mais recomendada para ISPs ou empresas que rodam aplicativos industriais e de saúde, cujos erros resultam em potenciais perdas enormes.


Alta disponibilidade



A estratégia de redundância de rede de alta disponibilidade é bem diferente da de tolerância a falhas. Em vez de se basear em uma cópia espelhada dos sistemas, com hardware disponível para atuar caso os equipamentos atuais mostrem problemas, essa técnica tem base no uso de software.


A alta disponibilidade se apoia em clusters de servidores que monitoram, de forma automática, uns aos outros, e dispõem de diversos protocolos de failover. Caso imprevistos ocorram com um dos servidores da empresa, aqueles de backup assumem a atividade — reiniciando os aplicativos que estavam sendo executados no servidor que falhou.


Como implementar a redundância de rede?



A implementação da redundância de rede no seu ISP ou empresa consiste em traçar um plano. A ideia deve analisar a infraestrutura existente, considerando, por exemplo, que mesmo uma redundância de software extensa não pode funcionar se há falhas na rede de energia.

Se você gostaria de acrescentar para a sua empresa a redundância de rede, entre em contato conosco!